A Sanjotec é notícia na Forbes Portugal como caso de estudo de referência fora do litoral português

 

Na edição de novembro, a Forbes Portugal publicou um artigo escrito por Joaquim Madrinha sobre Incubação 2.0, que contempla o caso da SANJOTEC enquanto uma das 15 melhores incubadoras nacionais.

Segundo o artigo, nos últimos 4 anos o número de incubadoras triplicou de seis para 18 e dados da Rede Nacional de Incubadoras indicam que haverá mais de 130 incubadoras espalhadas pelo país, havendo tendência para o aumento do número destas infraestruturas.

É também de se referir que a incubação de empresas de cariz tecnológico, é uma realidade portuguesa com mais de 20 anos de história. Historicidade esta que se deve à existência de universidades nas cidades de Aveiro, Coimbra, Porto e Lisboa.

A tendência das incubadoras promovidas pelas universidades é a da especialização em determinadas áreas científicas, sendo que as que são promovidas pelos municípios tendem a se relacionar com as atividades económicas da região. No caso de São João da Madeira e consequentemente da SANJOTEC, a tendência encontra-se na robótica e na automação industrial devido à predominância do sector secundário da região.

As empresas que participam num ecossistema de incubação, inserem-se num ambiente de crescimento, que em certa forma é mais protegido do que se nele não participassem.

Neste artigo, a SANJOTEC é descrita como um dos maiores casos de sucesso fora da faixa litoral do país. Percecionada como portadora de uma rede extensa de mentores e parceiros devido à inserção no Portuspark - Rede de Parques C&T e Incubadoras, e de um forte enfoque nas indústrias da região.  É mencionado também o seu programa de aceleração, o Tech Boost – direcionado a projetos de caráter tecnológico e o Creative Boost – direcionado a indústrias criativas. Também os eventos de promoção à inovação são destacados, ”, como forma de convívio e aprendizagem com os maiores atores do ecossistema nacional, em São João da Madeira.

Curiosidade – Origem das Incubadoras: Em 1958, Joseph Mancuso, tinha um problema imobiliário, pois a fábrica de máquinas agrícolas, que ocupava um imóvel da família de 25 mil metros quadrados, encerrou. Com o edifício vazio, Mancuso necessitava de inquilinos para ocupar o espaço, levando-o à decisão de o fracionar, atraindo assim pequenos empresários. Assim, o Bavaria Industrial Center passou a ser conhecido como a incubadora, criando por acidente o negócio de prestação de serviços.   

 

In https://www.forbespt.com/os-15-melhores-abrigos-para-start-ups/?geo=pt