AndIwonder à conquista de novos mercados na indústria do calçado

Chama-se VanguardPassion e são designers, fabricantes e exportadores de calçado de cerimónia - 100% personalizado - para casamentos e eventos especiais. A empresa está sediada em São João da Madeira (uma das capitais do calçado em Portugal) e faz-se representar pela marca andIwonder, da inteira autoria da designer Andreia Silva.

O seu ponto forte: design e conforto - os sapatos andIwonder são tão confortáveis que os consegue utilizar por mais de 12 horas. De acordo com Andreia Silva, responsável pelo design e desenvolvimento do produto: “A cliente pode criar um modelo exclusivo: escolhe a cor, o tacão, as aplicações e pode ainda gravar uma mensagem ou imagem na sola. O conforto é um ponto muito forte e o feedback de clientes tem sido muito gratificante. Muitas clientes conseguem 12-14 horas de utilização dos sapatos num casamento.” Em Portugal, a andIwonder já serviu mais de 1,200 clientes, espalhados por todo o país.

"O conforto é um ponto muito forte e o feedback de clientes tem sido muito gratificante. Muitas clientes conseguem 12-14 horas de utilização dos sapatos num casamento.”

Mas a ambição da empresa vai mais longe. O modelo operacional da empresa está apoiado numa plataforma de vendas online que permite a exportação dos sapatos “Made In Portugal” para outros mercados de maior dimensão. Neste próximo ano, a empresa espera conquistar quota de mercado em mercados relevantes, como o Reino Unido, a França e a Suiça. “Com a aposta no online, estamos prontos para chegar aos 4 cantos do mundo. Só no Reino Unido e em França realizam-se mais de 700 mil casamentos por ano. São mercados com grande potencial”, como explica Tiago Correia, responsável pela área comercial e financeira da empresa.

altRicardo Brito, Andreia Silva e Tiago Correia, responsáveis pela marca andIwonder.

Para esta equipa de empreendedores, é preciso planear, pensar fora da caixa e experimentar sem medo de errar.

“A indústria do calçado está pouco interessada em pequenas produções, com pares únicos e exclusivos. E como no início não tínhamos produção própria, não conseguíamos cumprir prazos nem podíamos ser muito ambiciosos no que diz respeito à qualidade. Foi nessa altura que decidimos investir em produção própria. Foi realmente um passo difícil, dadas as dificuldades de financiamento de então. No entanto, hoje terá sido das melhores decisões que tomamos desde o inicio do projecto”, como nos conta Ricardo Brito, responsável de produção, compras e stocks.

 

Ver artigo na íntegra:

https://blog.raize.pt/raizestories-3-a-conquista-de-novos-mercados-na-industria-do-calcado/