Fibrenamics acolhe reunião da rede COST (European Cooperation in the Scientific and Technical Research)

A  Fibrenamics acolheu no passado dia 8 e 9 de setembro decorreu, na Universidade do Minho, em Azurém, a reunião da rede COST (European Cooperation in the Scientific and Technical Research). Durante estes dois dias, vários especialistas, oriundos de vários países, debateram o futuro das novas estruturas para a arquitetura e a construção, cumprindo um dos objetivos fundamentais das ações COST, que consiste na definição das metas e tendências Europeias de inovação e desenvolvimento e na promoção do networking e da partilha de conhecimento. Para o professor Raul Frangueiro, coordenador da plataforma Fibrenamics, o balanço deste evento foi muito positivo uma vez que “foi possível durante estes dois dias aprofundar o conhecimento em diversos tópicos relacionados com esta temática como a sustentabilidade das soluções, a eficiência energética, os materiais inovadores, a normalização e os processos de homologação.” Além do mais, permitiu à Fibrenamics, enquanto plataforma internacional de promoção e disseminação de conhecimento com base em fibras, demonstrar todo o seu potencial “na conceção de momentos de partilha e geração de ideias, mas também no que concerne ao seu conhecimento nos materiais à base de fibras e a forma como este é utilizado para criar inovação conjuntamente com agentes empresariais.” Marijke Mollaert, presidente da Ação COST, também ficou muito satisfeita com esta edição da reunião COST, referindo que, apesar de “ser sempre complicado ter algum tipo de expectativas sobre este tipo de reuniões”, nestes dois dias os participantes conseguiram desenvolver algum trabalho que superou as expetativas que trazia. A par disto, afirmou ainda: “Eu gostei muito de vir à Universidade do Minho”. Este tipo de eventos tem dois momentos, sessões plenárias e reuniões em grupos de trabalho. Na sessão plenária da manhã do último dia, Douglas Thompson, da Sociedade Portuguesa de Inovação (SPI), deixou algumas dicas acerca das candidaturas aos programas de financiamento do Horizonte2020. “Se tivermos um bom plano de exportação, mas não tivermos bases científicas, não vamos ganhar”, salientou o britânico, acrescentando com confiança que “o sucesso mundial irá crescer”. O projeto da Torre em material têxtil exposta em Copenhaga, desenvolvido pela equipa Fibrenamics e produzido pela empresa de malhas AFF (A. Ferreira e Filhos), foi apresentado durante a sessão plenária da manhã do primeiro dia, e motivo de destaque, uma vez que foi apontado como um dos casos de sucesso e de boas-práticas resultantes da rede criada no âmbito da ação COST. É agora expectável que este conceito criado seja exposto em diversas cidades europeias, com previsão de instalação em Guimarães para meados de 2016. Para o professor Raul Fangueiro a certeza é uma: “no final desta jornada, a Plataforma Fibrenamics contará com mais um número significativos de parceiros e utilizadores internacionais.” COST