Fibrenamics da U. Minho na Bienal de Veneza

Já há algum tempo se sabia que Portugal tem uma forte presença na Bienal de Veneza através de nomes como Álvaro Siza Vieira, o que provavelmente não se sabe é que a Universidade do Minho também está lá bem representada e num projeto um pouco sui generes: o UIRA, a primeira Vila Olímpica Orbital da história.

A Bienal

Bienal de Veneza é uma exposição internacional de arte realizada de dois em dois anos, em Veneza, Itália. Este ano decorre de 28 de maio a 27 de novembro.

A Bienal nasceu em 1895 e desde aí que organiza exposições multidisciplinares subdivididas em setores como Arquitetura (Mostra Internacional de Arquitetura), Arte (Exposição Internacional de Arte), Cinema (Festival Internacional de Cinema de Veneza (frequência anual)), Dança (Festival Internacional de Dança Contemporânea), Música (Festival Internacional de Música Contemporânea), Teatro (Festival Internacional de Teatro) e ainda Arquivo Histórico de Arte Contemporânea (Archivio Storico delle Arti Contemporanee – ASAC) que tem como objetivo a conservação do património da Bienal, em todos os seus âmbitos.

A mostra internacional de arquitetura só teve o seu início em 1980, sendo, por isso, este ano a sua 15ª edição.

“Time, Space, Existence”

Este é o tema da exposição que integra a edição de 2016 da Bienal de Arquitetura de Veneza e na qual vão participar três portugueses: Ricardo Oliveira Alves, Nelson Garrido e Paulo Moreira. Mas, para além destes três nomes portugueses, a Universidade do Minho e, em especial, a Plataforma Internacional Fibrenamics também lá têm o seu espaço reservado.

Esta mostra apresenta arquitetos dos seis continentes, ao mesmo tempo que exibe os atuais pensamentos e desenvolvimentos em arquitetura, dando enfoque a questões fundamentais, discutindo conceitos filosóficos como o Tempo, o Espaço e a Existência.

A exposição mostra uma grande diversidade de projetos que combinam apresentações arquitetónicas clássicas com elementos surpreendentemente artísticos. Adicionalmente está a ser apresentada pela primeira vez uma extraordinária combinação de fotografias arquitetónicas. Ao conciliar diferentes pensamentos e abordagens arquitetónicas, esta mostra pretende expandir a consciência humana da existência pessoal como seres humanos num tempo e espaço específico.

Emanuel Dimas de Melo Pimenta é um desses artistas que está a ter a oportunidade de expor os seus trabalhos e é também através dele que a Fibrenamics da Universidade do Minho está lá representada.

Mais informações: 

http://www.web.fibrenamics.com/pt/16529/fibrenamics-da-universidade-do-minho-na-bienal-de-veneza/